Homenagem aos Capacetes Azuis das Nações Unidas

AdfaADFA, ONU

[responsivevoice voice=”Portuguese Female” buttontext=”Ouvir”]

Dia Internacional celebrado em cerimónia militar
Homenagem aos Capacetes Azuis das Nações Unidas

O Dia Internacional dos Capacetes Azuis da Organização das Nações Unidas (ONU) foi comemorado junto ao Forte do Bom Sucesso e do Monumento aos Combatentes do Ultramar, em Belém, Lisboa, em 29 de maio, e foi presidido pelo Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas, Marcelo Rebelo de Sousa.
No evento foram homenageados, em cerimónia militar todas as mulheres e homens portugueses, militares e polícias, que ao serviço da ONU integraram missões para restaurar e manter a paz em zonas de conflito, em várias partes do globo. Foram também alvo de homenagem todos aqueles que deram a sua vida ao serviço da paz nestas missões, tendo o Presidente da República e outras individualidades deposto coroas de flores junto ao Monumento.
As forças em parada que compuseram esta cerimónia incluíram militares dos três ramos das Forças Armadas, bem como militares da GNR e agentes da PSP.
A cerimónia contou com a presença do almirante CEMGFA, do ministro da Defesa Nacional, entre outras entidades civis e militares.
Neste momento são cerca de 107 mil os homens e mulheres de vários países que prestam serviço em missões da ONU, sob mandato do conselho de segurança, estando em curso actualmente 15 operações de paz e a missão especial de assistência no Afeganistão.
Na mensagem que divulgou para o Dia Internacional dos Soldados da Paz deste ano, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou que 111 funcionários das operações de paz morreram no ano passado e que mais de 3100 perderam suas vidas durante os 65 anos da história da ONU em manutenção da paz. “Saudamos a sua coragem e lamentamos a sua morte”, realçou.
A ONU informa que “infelizmente, os capacetes azuis são alvo de retaliações no terreno por disseminarem a paz ou por tentarem mantê-la”, afirmando António Guterres que “enquanto nos congratulamos com estes avanços, reconhecemos as operações de manutenção da paz envolvem sempre riscos e que, recentemente, atacantes não identificados emboscaram e mataram soldados da paz na República Democrática do Congo, Sudão e Sudão do Sul”.
António Guterres sublinhou, na sua mensagem, que “as operações de manutenção da paz da ONU fomentam a partilha dos esforços, distribuindo riscos e oportunidades entre países grandes e pequenos, tanto no mundo desenvolvido como nos países em vias de desenvolvimento”, aplaudindo os mais de 107 mil soldados da paz, membros de 122 corpos de polícia e do exército, de vários países, que estão presentes em 16 missões.
O Presidente da República referiu que “os desafios que [os capacetes azuis] enfrentam nunca foram tão exigentes como agora” e em homenagem aos 12 militares portugueses que deram a sua vida ao serviço da Paz, citou os seus nomes, dizendo que “ficarão para sempre inscritos neste Monumento”.
Em 70 anos, as Nações Unidas estabeleceram 71 operações de manutenção da paz, com o serviço de mais de um milhão de pessoas como soldados da paz.
A ADFA esteve representada na cerimónia pelos elementos da DN, José Arruda e Ludgero Sequeira, acompanhados pelo associado José Cardoso.

[/responsivevoice]